• QUEM SOMOS

    A Ordem da SantÍssima Trindade e dos Cativos foi fundada por São João de Matha, o qual teve esta inspiração enquanto celebrava a sua primeira missa no ano de 1193. Oitocentos anos depois, esta mesma inspiração e a sua obra continuam a nos interpelar! Os Frades Trinitarios são impelidos por um espírito apostólico que os fazem anunciadores da libertação aos mais pobres, aos abandonados e marginalizados, e sobretudo, àqueles cristãos em perigo de perder a fé, por causa de sua fidelidade ao Evangelho...

  • ESPIRITUALIDADE TRINITARIA

    A vida especialmente consagrada a Santíssima Trindade constitui, desde sua origem, um elemento essencial e característico do patrimônio da Ordem Trinitária. Desta consciência trinitária flui toda sua vida espiritual e litúrgica, religiosa, comunitária e apostólica, e sua permanente renovação...

  • ONDE ESTAMOS

    A Ordem da Santíssima Trindade, dividida em sete províncias religiosas, três vicariatos e duas delegações, está presente hoje na: Itália, Espanha, frança, Alemanha, Áustria, Estados Unidos, Canadá, México, Guatemala, Porto Rico, Colômbia, Brasil, Peru, Bolívia, Chile, Argentina, Índia, Madagascar, Polônia, Gabão, Congo e Coréia do Sul. A missão dos religiosos trinitários, espalhados pelo mundo, é garantir a assistência a aqueles que mais necessitam: aos pobres, vítimas das diferenças sociais; aos cristãos perseguidos, vítimas de intolerâncias...

O PROFETISMO DA VIDA CONSAGRADA



Na carta do papa Francisco para o ano da Vida consagrada encontramos o convite a voltar às raízes, de onde partiram os nossos fundadores: o Evangelho. Com efeito, cada carisma é uma palavra evangélica que o Espírito Santo recorda à sua Igreja (Cf. Jo 14,16). Não é por acaso que a vida consagrada nasce da escuta da Palavra de Deus como norma de vida. Então, ir às raízes significa ancorar-se ao amor de Jesus Cristo com um coração indiviso, sem nada antepor a esse amor, nem mesmo os afetos mais sagrados e significativos de nossa vida (Mt 10,37; Lc 14,26).

MARIA NA VIDA CONSAGRADA



O mês de maio, na Igreja católica romana, é consagrado a Maria como um tributo à Mãe de Jesus Cristo e da Igreja. Tributo tanto pela colaboração que deu ao plano de salvação do Pai, colocando-se à disposição como sua serva (Lc 1,38), quanto pelo significado que ela tem para a vida cristã como modelo e inspiração, tanto pessoal como comunitário.

PAPA FRANSCISCO CITA SÃO JOÃO DE MATHA


No discurso que o Papa Francisco dirigiu aos participantes na sessão plenária da Academia Pontifícia de Ciências Sociais, dia 18 de abril de 2015, chamou a atenção novamente sobre o grave problema que supõe para a humanidade o tráfico de pessoas e as novas formas de escravidão. Como exemplo de seguimento da vontade de Deus citou nosso fundador, São João de Matha, que combateu a escravidão.

Nós trinitários devemos ler estas palavras do Papa como convite a seguir e sendo para este mundo símbolos do amor de Deus, que chama de novo a nossa Ordem e Família religiosa para a libertação dos que estão cativos. Em 1199, Inocêncio III entregou à São João de Matha uma carta pessoal para o Sultão Miramamolín do Marrocos, confiante de que o bom trabalho dos trinitários serviria para continuar a obra redentora de Cristo. Hoje, 816 anos depois, o sucessor de Pedro nos chama novamente para dar continuidade ao trabalho de São João de Matha.

QUARESMA: TEMPO DE APRENDER O DESPRENDIMENTO


Na oração do III Domingo da Quaresma nós pedimos: “Ó Deus, fonte de toda misericórdia e de toda bondade, vós nos indicastes o jejum, a esmola e a oração como remédios contra o pecado...” Neste tempo da quaresma, a Igreja nos faz repetidas chamadas para que nos desprendamos das coisas da terra, e assim cumulemos o nosso coração de Deus. Em Jr 17,7-8, Deus nos diz: “Bendito o homem que deposita a sua confiança no Senhor e põe Nele a sua esperança.