• QUEM SOMOS

    A Ordem da Santíssima Trindade e dos Cativos foi fundada por São João de Matha, o qual teve esta inspiração enquanto celebrava a sua primeira missa no ano de 1193. Oitocentos anos depois, esta mesma inspiração e a sua obra continuam a nos interpelar! Os Frades Trinitarios são impelidos por um espírito apostólico que os fazem anunciadores da libertação aos mais pobres, aos abandonados e marginalizados, e sobretudo, àqueles cristãos em perigo de perder a fé, por causa de sua fidelidade ao Evangelho...

  • ESPIRITUALIDADE TRINITARIA

    A vida especialmente consagrada a Santíssima Trindade constitui, desde sua origem, um elemento essencial e característico do patrimônio da Ordem Trinitária. Desta consciência trinitária flui toda sua vida espiritual e litúrgica, religiosa, comunitária e apostólica, e sua permanente renovação...

  • ONDE ESTAMOS

    A Ordem da Santíssima Trindade, dividida em sete províncias religiosas, três vicariatos e duas delegações, está presente hoje na: Itália, Espanha, frança, Alemanha, Áustria, Estados Unidos, Canadá, México, Guatemala, Porto Rico, Colômbia, Brasil, Peru, Bolívia, Chile, Argentina, Índia, Madagascar, Polônia, Gabão e Congo. A missão dos religiosos trinitários, espalhados pelo mundo, é garantir a assistência a aqueles que mais necessitam: aos pobres, vítimas das diferenças sociais; aos cristãos perseguidos, vítimas de intolerâncias...

SÃO FÉLIX DE VALOIS



(04 novembro)

Co-fundador da Ordem da Santíssima Trindade e dos Cativos


Nasceu em Amiens, França, em 1127 e morreu em 1212, sendo o seu culto aprovado pelo Papa Alexandre VII em 1666. Foi co-fundador da Ordem da Santíssima Trindade (os Frades Trinitários) para o Resgate dos Cativos.

No começo do século XII, o distrito de Somme e Aisle na França era governado pelo Conde Raul de Vermandois e de Valois, príncipe da Casa dos Capet  e Carlosmagno. Sua esposa Alienor de Champagne era também da casa de Carlosmagno. Em 19 de abril de 1127 ela deu à luz  um filho que foi batizado com o nome de Hugo, em homenagem ao seu avô, o filho de Henry I, Rei da França.

O jovem Hugo foi enviado para a Abadia de Clairvaux para ser educado. Com 20 anos ele saiu numa cruzada, mais foi incógnito para não ser tratado de modo diferente. Três anos mais tarde ele retornou, viajou pela Itália e foi ser um eremita no norte da Itália ou perto de Clermont d’Oise. Para evitar ser reconhecido ele mudou o nome para Félix e se tornou um sacerdote.

Em 1193 ele estava vivendo em extrema solidão perto de Montigny quando recebeu a visita de São João de Matha que, tendo-se diplomado na Universidade de Paris, tornou-se sacerdote, celebrando sua primeira missa em 28 de janeiro de 1193. Eles se tornaram amigos, formando uma pequena comunidade junto com outros discípulos.

Um dia em 1197, uma corça branca, que vinha com freqüência beber água numa fonte onde os eremitas tiravam sua água, apareceu com uma cruz vermelha e azul entre os chifres. João lembrou da visão que havia tido durante a sua primeira missa, quando ele viu um anjo vestido de branco com uma cruz vermelha e azul em seu peito. Ele e Félix sabiam que a corça era um sinal de Deus e que eles deveriam seguir em frente com os planos que haviam discutido. Este plano era fundar uma Ordem Religiosa dedicada a resgatar os cativos cristãos que eram capturados pelos Mouros durante as cruzadas.

Juntos, eles apresentaram seu plano, em Roma, ao Papa Inocêncio III, o qual não só deu sua aprovação, mas deu aos fundadores o hábito da Ordem: branco com uma cruz vermelha e azul. João e Félix retornaram a França e a sua comunidade foi renomeada de Cerfroid em homenagem à corça. Em 17 de dezembro de 1198, o Papa aprova a Regra Própria da nova Ordem.

João deixou Cerfroid para começar o trabalho de resgatar os cativos; Félix ficou como Supervisor Geral em Cerfroid, mas mais tarde foi a Paris para estabelecer o hospital da Ordem em Saint Mathurin o qual havia sido doado a eles. Como resultado, membros da Ordem eram popularmente chamados de Mathurinos; os frades trinitários eram também conhecidos como “frades dos asnos” sendo que sempre usavam esse meio de transporte (o asno) como testemunho de pobreza.

Na noite de 8 de setembro de 1212, embora o frade sacristão de Cerfroid tinha esquecido de bater o sino da manhã (geralmente às 3 da madrugada), Félix desceu à Igreja para cantar o matutino com a comunidade, como de costume, e encontrou a Virgem Maria e anjos, todos eles usando o hábito da Ordem. 

Alguns dias mais tarde João de Matha retornou a Cerfroid para ver seu velho amigo, mas ficou apenas alguns dias. Em 4 de Novembro de 1212 Félix morreu com a idade de 85 anos.

Ele teria sido enterrado em Cerfroid. A grande reputação de sua santidade e de milagres reportados em sua tumba fez com que o Papa Urbano IV o canonizasse em 1 de maio de 1262.

Em 1631 os trinitários tentaram receber a permissão para celebrar as festas dos santos Félix e João liturgicamente na França e na Espanha, como seus confrades na Inglaterra haviam conseguido desde 1308; mas como o Concílio de Trento havia estabelecido controles restritivos dessas celebrações, eles não receberam permissão. A Bula papal de canonização de Félix do Papa Urbano IV também havia se perdido, assim os trinitários começaram a colher novos dados.

Eles encontraram os “canons”  de Meaux invocando São Félix desde 1219; em 1291 o Capítulo Geral fixou o dia de sua festa e em 1308 o provincial da Inglaterra recebeu os ofícios da missa do Papa João XXII. Havia bastante documentos para convencer ao Papa Alexandre VII a confirmar o culto em 21 de outubro de 1666. Mas 5 anos mais tarde o Sagrado Colégio dos Ritos ainda não havia adicionado Félix e João no Martirológio Romano, e apenas com a intercessão do Rei Luís XIV de França e Filipe V da Espanha a favor de Félix de Valois, fez com que o Papa Inocêncio XII estendesse as festas de São Félix e São João de Matha a toda Igreja católica em 1694.

São Félix é mostrado na arte litúrgica da Igreja como: 1) um velho com o hábito trinitário e correntes ou cativos ao seu lado, ou 2) perto de uma fonte onde uma corça bebe água ou 3) junto a uma corça com uma cruz nos chifres. Ele é venerado em Meaux e Valois (França).

No Brasil encontram-se cidades, paróquias, igrejas, capelas que levam o nome de São Félix de Valois, tendo-o como Padroeiro.

NOVENA  AO NOSSO PAI SÃO FÉLIX DE VALOIS

Ó glorioso Patriarca São Félix de Valois, vós que inflamado do amor de Deus, abandonastes as riquezas passageiras e os afetos terrenos para levar uma vida de oração e penitência na solidão de Cerfroid, e ser elevado, portanto, à dignidade sacerdotal, para depois reinar com Cristo no céu: ouvi-nos, isso vos pedimos, com olhar benigno; confortai-nos em nossas penas, socorrei-nos em nossas inúmeras necessidades espirituais e temporais e com a vossa poderosa intercessão concedei-nos da Santíssima Trindade a graça de imitar-vos no desprezo dos falsos bens desta vida, para aspirar somente aos bens eternos na outra.
     
    Glória ao Pai...

V. Rogai por nós, ó glorioso São Félix.
R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Oremos: 
Ó Deus, que chamastes o nosso pai São Félix de Valois, presbítero, do silêncio do deserto à obra da redenção dos cativos, nós vos suplicamos: por sua intercessão, a vossa graça nos liberte da escravidão de nossos pecados e nos conduza à pátria celeste. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

***

V. Ora pro nobis, sancte Pater Felix.
R. Ut digni efficiamur promissionibus Christi.

Oremus:
Deus, qui beatum Felicem Confessorem tuum ac Patrem nostrum ex eremo ad munus redimendi captivos cælitus vocare dignatus es: præsta, quæsumus; ut per gratiam tuam a peccatorum nostrorum captivitate, ejus intercessione, liberati, ad cælestem patriam perducamur. Per Christum Dominum nostrum. Amen.

ORAÇÃO PARA O DIA DA FESTA

Ó glorioso Patriarca São Félix de Valois, exultamos de alegria neste dia em contemplar a vossa grande alma como um jardim delicioso, sempre perfumado das mais belas flores de virtude, um céu claríssimo jamais obscurecido pelo pecado, o templo vivo do Espírito Santo. Vós sois o exemplo que Deus nos propôs a seguir, o exemplo pelo qual devemos modelar-nos, a fonte  onde obtemos o vigor para vencer os ataques furiosos do inimigo infernal. Se, porém, até hoje,  estivemos em condição muito diferente da vossa, agora pedimos firmemente, com o auxílio da graça divina e mediante a vossa poderosa intercessão, de podermos abraçar a virtude, de fugirmos corajosamente do pecado, de dedicarmo-nos completamente a promover a glória da Santíssima Trindade, dispostos a oferecer nossa vida, se necessário,  pelo bem espiritual e temporal de nosso próximo, a fim de que, seguindo fielmente o vosso exemplo aqui na terra, possamos chegar ao céu para cantar eternamente os louvores ao Deus Uno e Trino. Amém.

       Pai Nosso...   Ave Maria...   Glória...

ORAÇÃO AO NOSSO PAI SÃO FÉLIX DE VALOIS

Ó nosso santo pai Félix de Valois, que sempre soubestes conservar puro e casto o vosso coração ao Senhor; vós, que para melhor assegurar a posse do reino dos céus, renunciastes às glórias terrenas, refugiando-vos no deserto; e chamado por Deus na solidão de Cerfroid para a grande obra de redenção dos escravos, cheio de caridade para com o próximo, sacrificastes a alegria da contemplação pelo difícil trabalho do apostolado; concedei-nos do Senhor a graça de conservar-nos livres do pecado em meio aos perigos do mundo: e fazei, ó glorioso santo, que também nós, conforme o vosso exemplo, em todas as nossas ações tenhamos em vista a glória da Santíssima Trindade e o bem da alma, a fim de que possamos alcançar um dia a posse do reino celeste, onde, junto a vós, teremos a visão feliz do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.