• QUEM SOMOS

    A Ordem da SantÍssima Trindade e dos Cativos foi fundada por São João de Matha, o qual teve esta inspiração enquanto celebrava a sua primeira missa no ano de 1193. Oitocentos anos depois, esta mesma inspiração e a sua obra continuam a nos interpelar! Os Frades Trinitarios são impelidos por um espírito apostólico que os fazem anunciadores da libertação aos mais pobres, aos abandonados e marginalizados, e sobretudo, àqueles cristãos em perigo de perder a fé, por causa de sua fidelidade ao Evangelho...

  • ESPIRITUALIDADE TRINITARIA

    A vida especialmente consagrada a Santíssima Trindade constitui, desde sua origem, um elemento essencial e característico do patrimônio da Ordem Trinitária. Desta consciência trinitária flui toda sua vida espiritual e litúrgica, religiosa, comunitária e apostólica, e sua permanente renovação...

  • ONDE ESTAMOS

    A Ordem da Santíssima Trindade, dividida em sete províncias religiosas, três vicariatos e duas delegações, está presente hoje na: Itália, Espanha, frança, Alemanha, Áustria, Estados Unidos, Canadá, México, Guatemala, Porto Rico, Colômbia, Brasil, Peru, Bolívia, Chile, Argentina, Índia, Madagascar, Polônia, Gabão, Congo e Coréia do Sul. A missão dos religiosos trinitários, espalhados pelo mundo, é garantir a assistência a aqueles que mais necessitam: aos pobres, vítimas das diferenças sociais; aos cristãos perseguidos, vítimas de intolerâncias...

SÃO JOÃO DE MATHA, FUNDADOR DA ORDEM DA SANTÍSSIMA TRINDADE

(17 de dezembro)

SÃO JOÃO DE MATHA
FUNDADOR DA ORDEM DA SANTÍSSIMA TRINDADE



Os documentos do século XII o chamam “João de Provença”. Nasceu no povoado de Faucon (Barcelonette), no Sul da França, em 1154. Pertenceu à nobre família “De Matha” e foi educado conforme as exigências de sua categoria.

Aos 14 anos foi enviado a Paris, principal centro da vida política, religiosa e cultural de seu tempo. Ali se matriculou como aluno da Escola da catedral de Nossa Senhora de Paris. Entre seus mestres encontramos o famoso Prevostino.

Conseguiu o título de “Mestre em Teologia”. “Buscava incessantemente a vontade de Deus”. Não se realizava lecionando. Para ele, a Teologia era vida e compromisso. Estando nesta busca, descobriu o chamado do Senhor que o convidava a dedicar toda sua vida ao serviço dos irmãos mais necessitados.

Decidiu se tornar sacerdote. Comunicou sua decisão ao bispo de Paris, Maurício de Sully. Conhecendo a qualidade espiritual de João de Matha, o prelado consentiu imediatamente ao seu desejo. No dia 28 de janeiro de 1193, celebrou sua primeira Missa, na qual estiveram presentes o bispo de Paris, o abade de São Vítor e seu Mestre Prevostino.

Aquele seria o encontro com Deus que transformaria sua vida. No momento da consagração, tendo suplicado ao Senhor que lhe manifestasse a ordem religiosa que deveria abraçar, “viu a Majestade de Deus e a Cristo que sustentava com suas mãos dois cativos acorrentados pelos pés. O da esquerda era negro e deforme, e o da direita branco e pálido. Este era cristão e aquele outro muçulmano”. Era a resposta do Senhor.

Desde aquele momento, sua vida futura se tornou completamente entregue ao serviço do resgate de cativos e às obras de misericórdia em favor dos menos favorecidos, para a glória da Santa Trindade.

João de Matha se perguntava: Como realizar este projeto?

Retirou-se, então, ao silêncio de Cerfroid, a uns 70 quilômetros de Paris, para, com a ajuda dos santos eremitas que residiam naquele lugar, à frente dos quais estava São Félix de Valois, recolher o espírito e elaborar um plano de ação. Esses eremitas acolheram com entusiasmo seu projeto e, para colaborarem com ele, ofereceram-se a si mesmos e seus bens. Sua experiência fundacional durou quatro anos. Deixou expresso o fruto deste tempo de deserto na Regra que submeterá ao parecer e à aprovação da Igreja. Estamos já em 1198. O grande pontífice que governava a Igreja neste período era Inocêncio III. Este papa foi considerado eminente por sua inteligência, versado no Direito e na Lei do Senhor. Procedia com reta consciência em seu cargo.

João de Matha, acompanhado pelo seu companheiro e principal colaborador São Félix de Valois, se dirigiu a Roma. Encontraram a Inocêncio III no Palácio do Latrão. Expuseram-lhe seu projeto e pediram-lhe sua aprovação e proteção. O papa muito bem conhecia a condição dos cativos cristãos: sofrimentos sem fim, perigo de perder sua fé, ausência de suas famílias... A iniciativa de João e Félix lhe agradou, mas sua prudência lhe indicava que deveria buscar mais informações na igreja local de onde procediam os dois Fundadores. Era o mês de maio de 1198.

Retornaram a Cerfroid com as ordens do Santo Padre. Recolheram todas as informações requeridas. No mês de dezembro do mesmo ano, voltaram a Roma. Agora o papa aprovará definitivamente a nova Ordem com a bula Operante divinae dispositionis, de 17 de dezembro de 1198.

A partir de agora, inicia para João de Matha uma nova etapa de atividade fundadora, redentora e caritativa. Começará pelo Sul da França, passará logo à Espanha, ao Marrocos, e por fim a Roma, onde servirão aos pobres e enfermos no hospital de São Tomé in Formis, no monte Célio. Passará os últimos quatro anos de sua vida em Roma, desde o ano 1209 até 1213.

A primeira redenção se realizou em 1199. Foi com cartas de recomendação de Inocêncio III. Apresentou-se, em plano de paz, diante de Miramamolín, sultão do Marrocos. Conseguiu resgatar cem cativos cristãos.

Em Roma, sobre a entrada principal do hospital fez que se representasse, num mosaico artístico, a revelação que transformou sua vida e que inspirou a vida de seus filhos e filhas: o brasão da Ordem da Santíssima Trindade e dos Cativos.

Em 17 de dezembro de 1213, entregou sua formosa alma ao Senhor. Até hoje, todos os dias 17 de dezembro, seus filhos e filhas celebram a sua glória.

NOVENA A NOSSO PAI SÃO JOÃO DE MATHA

Ó glorioso Patriarca São João de Matha, que agraciado por Deus de bênçãos celestiais colaborastes desde a mais tenra idade com as suas graças olhai para nós, vossos filhos e devotos, aqui prostrados para venerar-vos e seguir-vos em vossos admiráveis exemplos de santidade. Esses nos recordam que vós amastes a Deus sobre todas as coisas, desprezando, por seu amor, todas as riquezas e honras terrenas, abraçando uma vida de mortificação e de sacrifício na completa dedicação à salvação do próximo. Mas de modo particular, esta vossa ardentíssima caridade refulgiu quando, seguindo a divina inspiração, fundastes a Ordem da Santíssima Trindade, submetendo-vos generosamente a todas as dificuldades que uma obra tão grandiosa exigia. Ó grande Santo, vosso olhar piedoso a nós volvei: comunicai-nos o vosso espírito, fortalecei a nossa vontade, destruí em nosso coração todos os afetos pelos bens temporais e alcançai-nos, mediante a vossa poderosa intercessão, que a nossa existência seja toda dedicada ao amor e à glorificação da Santíssima Trindade.

       Glória ao Pai...
  
V. Rogai por nós, São João de Matha.
R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Oremos:

Deus eterno e todo-poderoso, que para promover a glória da Trindade e socorrer as necessidades do próximo inflamastes de amor divino o nosso santo Pai João de Matha, concedei-nos por sua intercessão imitar seu espírito e ser testemunha da Redenção no mundo. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

***

V. Ora pro nobis, sancte Pater Joannes.
R. Ut digni efficiamur promissionibus Christi.

Oremus: 

Deus, qui per sanctum Patrem nostrum Joannem, Ordinem Santissimæ Trinitatis ad redimendum de potestate Saracenorum captivos cælitus instituere dignatus es: præsta, quæsumus; ut, ejus suffragantibus meritis, a captivitate corporis et animæ, te adjuvante, liberemur. Per Christum Dominum nostrum. Amen.

ORAÇÃO PARA O DIA DA FESTA

Ó glorioso Patriarca São João de Matha, enquanto bendizemos o Senhor que tanto vos preferiu e glorificou, veneramos em vós o servo humilde e fiel colocado por Ele em seu candelabro para iluminar o mundo com a vossa sublime doutrina e ardentíssima caridade, e que escolhido a ser o fundador da bendita Ordem da Santíssima Trindade pela redenção dos cativos, fecundastes a Igreja de novos filhos e filhas, oferecendo, assim, inúmeros benfeitores à humanidade sofredora e numerosos cidadãos ao céu. Nós rendemos graças ao Altíssimo, que vos recompensou generosamente ornando-vos de imensa glória no céu e, ao mesmo tempo, pedimos que, pelos vossos méritos e mediante a vossa poderosa intercessão, nos conceda a graça de imitar-vos naquelas virtudes que vos tornaram admirável aos anjos e aos homens. Olhai, ó grande Santo, para nós, vossos filhos e devotos, e concedei-nos viva fé, firme esperança e ardente amor para com Deus, para que, fiéis como vós em servi-lo e amá-lo aqui na terra, possamos convosco gozá-lo eternamente no santo paraíso. Amém.

         Pai nosso...  Ave Maria...  Glória...

ORAÇÃO AO NOSSO PAI SÃO JOÃO DE MATHA

Ó nosso glorioso Patriarca São João de Matha, vós que  abrasado de grande amor para com Deus e de terna compaixão para com o próximo fostes por Deus mesmo escolhido a fundar a bendita Ordem da Santíssima Trindade e dedicastes o vosso tempo a glorificar este augusto mistério e a resgatar  os cativos cristãos; concedei-nos a graça de dedicar-nos completamente ao serviço de nosso próximo com as obras de caridade cristã para que um dia, lá no céu, possamos contemplar eternamente o Pai.  o Filho e o Espírito Santo. Amém.